Economia & Energia
Ano VIII -No 43:
Março-Abril 2004  
ISSN 1518-2932

No 43setae.gif (977 bytes) English Version    Apoio:

BUSCA

CORREIO

DADOS ECONÔMICOS

DOWNLOAD

OUTROS NÚMEROS

e&e No 43

Página Principal

Artigo:

Avaliação da Produtividade de Capital no Brasil no Século XX

Texto para Discussão:

Balanço de Carbono

Opinião:

O Brasil e o Protocolo Adicional ao Acordo de Salvaguardas Com a AIEA

Legislação:

Novas Leis Regulamentam o Setor Elétrico

Download

Texto das leis

10.847 (EPE)

10.848 (Comercialização de Energia Elétrica)

Energia Equivalente e BEN 49 x 46 (em Excel)
BEN 49 X 46: Manual de Uso  (em Word )

e&e por autor
e&e por assunto

http://ecen.com
Vínculos e&e

Artigo:

Avaliação da Produtividade de Capital no Brasil no Século XX.

A produtividade de capital é fator de vital importância para compreender as razões da estagnação do crescimento per capita brasileiro nas últimas décadas. Novos dados de investimento, colocados disponíveis pelo IBGE em sua publicação “Estatísticas do Século XX”, permitem recalcular a produtividade de capital a partir de 1920 destacando a contribuição dos diferentes tipos de bens de capital no setor público e privado.

Anexo 1: Resultados

Anexo 2 Taxa de depreciação do estoque de capital equivalente a um tempo de depreciação linear v

Texto para Discussão:

Balanço de Carbono

Para estabelecer o balanço de carbono relativo às emissões nos centros de transformação e no uso de energia é necessário conhecer o teor de carbono dos hidrocarbonetos utilizados. A diferença entre os poderes caloríficos superior e inferior adotados para os combustíveis indica o teor de hidrogênio. Por diferença de massa, usando-se as densidades conhecidas pode-se obter o conteúdo de carbono. 

Opinião:
Transcrição de Artigo no Correio Braziliense de 19/04/2004

O Brasil e o Protocolo Adicional ao Acordo de Salvaguardas com a Agência Internacional de Energia Atômica.

Os meios de comunicação no Brasil deram grande destaque sobre as pressões sobre o Governo Brasileiro relativas às inspeções na usina de enriquecimento de Resende. Deve-se distinguir entre o pretexto - acesso às centrífugas - e o motivo que seria a adesão do Brasil ao Protocolo Adicional ao acordo com a AIEA ou mesmo evitar que o Brasil seja admitido no clube de países que dominam o ciclo nuclear. Desarmar o pretexto e discutir amplamente a conveniência da adesão ao Protocolo parece ser o melhor caminho. Em artigo anterior  à polêmica atual (e&e 38) lançamos a dúvida se o Protocolo é um instrumento válido de anti-proliferação nuclear.

Anexos Explicativos:

Informações sobre as Salvaguardas Nucleares e o Protocolo Adicional

Nota sobre o processo de inspeção adotado pela ABACC e AIEA nas instalações de enriquecimento no Brasil com painéis que encobrem as centrífugas

Legislação:

Novas Leis Regulamentam o Setor Elétrico

Foram convertidas em leis, em 15 de Março de 2004, as medidas provisórias que tratam do Sistema Elétrico. A primeira (10.847) autoriza a criação da EPE Empresa de Pesquisa Energética, a segunda (10.848) muda o desenho da comercialização de energia elétrica. As principais modificações introduzidas pela Lei 10848 são nomeadas. Os textos integrais das leis estão disponíveis

Download

Texto das leis

10.847 (EPE)

10.848 (Comercialização de Energia Elétrica)

 

Destaques na Grande Imprensa:
BOAS NOTÍCIAS SOBRE A PRODUTIVIDADE DE CAPITAL NO BRASIL

Folha de São Paulo 24/04/2004:

Ford deve criar 2.000 vagas na BA.

A Ford quer elevar a produção da fábrica baiana dos atuais 130 mil veículos para 250 mil até o final do ano, meta prevista para ser atingida apenas em 2007.
Para isso, a montadora decidiu criar um terceiro turno de trabalho a partir de agosto. Sozinho, o novo turno da Ford abrirá 700 vagas. O recrutamento começará nas próximas semanas.
Segundo a montadora, outros mil postos deverão ser gerados pelos 27 fornecedores de autopeças e equipamentos. Além desses, cerca de mais 400 empregos deverão vir do setor de infra-estrutura da região, como transporte, alimentação, segurança e saúde.

O Globo  03/03/2004:

VARIG E TAM COMEÇAM VÔOS NOTURNOS NO DIA 15

Gol consegue do DAC autorização para transformar as tarifas promocionais do 'corujão' em preços permanentes Depois da Gol é a vez de Varig e TAM entrarem na rota dos vôos noturnos. As duas empresas conseguiram a autorização do Departamento de Aviação Civil (DAC) para operar os "corujões" depois de uma análise da demanda de mercado feita pelo órgão.

 

Graphic Edition/Edição Gráfica:
MAK
Editoração Eletrônic
a

Revised/Revisado:
Tuesday, 10 May 2011
.

Contador de visitas